Psicoterapia e prática baseada em evidência

O que sabemos sobre a eficácia de processos psicoterapêuticos?

A prática baseada em evidências é, atualmente, um dos assuntos mais discutidos no cenário internacional da Psicologia e de outras ciências. Atualmente as evidências científicas demonstram que fatores específicos de determinadas modalidades terapêuticas são mais eficazes do que outras na promoção em saúde mental.

A divisão clínica da Associação Psicológica Americana disponibiliza online um guia com dados sobre a eficácia de diversas modalidades de psicoterapia aplicadas ao tratamento de transtornos psiquiátricos específicos, como Depressão, Transtorno de Ansiedade Generalizada, Esquizofrenia, entre outros. Tais informações resultam de análises sistemáticas de ensaios clínicos randomizados e experimentos de caso único desenvolvidos por pesquisas que investigam os efeitos das intervenções psicoterápicas. De acordo com o tipo de pesquisa realizada e os resultados obtidos, estas intervenções são classificadas como “Tratamento Eficaz”, “Tratamento Provavelmente Eficaz” ou “Evidências Controversas de Eficácia”. O guia é atualizado constantemente, à medida que novos dados são obtidos.

São considerados eficazes os tratamentos para os quais existem:

1. Dois ou mais ensaios clínicos randomizados, conduzidos por pesquisadores independentes demonstrando que aquele tratamento foi superior a placebo e a outras intervenções psicoterápicas, ou ainda, que seus resultados foram equivalentes a um tratamento já estabelecido como eficaz através de outros estudos bem delineados, ou;

2. Nove ou mais experimentos de caso único conduzidos por pesquisadores independentes apontando para a eficácia do tratamento. ¹

São considerados provavelmente eficazes os tratamentos para os quais existem:

1. Dois estudos demonstrando que os indivíduos submetidos àquele tratamento obtiveram ganhos superiores a indivíduos sem tratamento, no mesmo espaço de tempo, ou;

2. Três ou mais experimentos de caso único demonstrando que o tratamento é eficaz, ou;

3. O tratamento atende a todos os critérios para ser considerado eficaz, mas os estudos que o sustentam foram conduzidos por um mesmo grupo de pesquisadores.

São considerados tratamentos com evidências controversas aqueles cujos estudos de eficácia chegaram a resultados conflitantes.

É importante destacar que os resultados de cada tratamento foram avaliados para transtornos específicos. Isso significa que a abordagem terapêutica não pode ser simplesmente classificada como eficaz ou provavelmente eficaz, de forma ampla e generalizada, mas sim, como eficaz ou provavelmente eficaz especificamente para Depressão, Transtorno de Ansiedade Generalizada, Transtorno Bipolar e assim por diante.

O portal “Comporte-se” preparou um breve resumo dos dados apresentados pela APA. Nele foram listados alguns dos transtornos e os tratamentos considerados “Eficazes” para cada um deles. Estão sinalizados com “*” (asterisco) aqueles tratamentos que, embora descritos pela APA como modalidades independentes de intervenção, correspondem a recursos terapêuticos frequentemente utilizados por analistas do comportamento. Recomendamos ainda, aos leitores, que acessem o manual completo logo abaixo do resumo e façam a leitura dos componentes específicos da Terapia Cognitiva que a Associação Psicológica Americana descreve como eficazes. Muitos deles também são aplicados por terapeutas comportamentais.

• Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade
1. Terapia Cognitivo Comportamental

• Transtorno Bipolar de Humor
1. Psicoeducação*
2. Cuidado Sistemático

• Transtorno de Personalidade Borderline
1. Terapia Comportamental Dialética*

• Fibromialgia
1. Terapia Cognitivo Comportamental

• Depressão
1. Ativação Comportamental*
2. Terapia Cognitiva
3. Sistema Analítico-Comportamental e Cognitivo de Terapia
4. Terapia Interpessoal*
5. Terapia de Resolução de Problemas*
6. Autogestão e controle do self*

• Transtorno de Ansiedade Generalizada
1. Terapia Comportamental
2. Terapia Cognitiva
3. Terapia Cognitivo-Comportamental

• Insônia
1. Alteração do Controle de Estímulos*
2. Restrição do Sono*
3. Treino de Relaxamento*
4. Terapia Cognitivo Comportamental
5. Intenção Paradoxal*

• Condições Mistas de Ansiedade
1. Terapia de Aceitação e Compromisso*

• Transtorno Obsessivo Compulsivo
1. Exposição com Prevenção de Resposta*
2. Terapia Cognitiva

• Transtorno do Pânico
1. Terapia Cognitivo-Comportamental
2. Relaxamento*

• Transtorno de Estresse Pós-Traumático
1. Exposição Prolongada*
2. Terapia Centrada no Presente (atenção plena)*
3. Terapia do Processamento Cognitivo;

• Esquizofrenia
1. Treinamento de Habilidades Sociais*
2. Terapia Cognitivo Comportamental;
3. Treinamento em Comunidade Multidisciplinar;
4. Psicoeducação Familiar*
5. Emprego Apoiado*
6. Modificação Cognitiva

• Transtorno de Ansiedade Social e Ansiedade de Falar em Público
1. Terapia Comportamental;
2. Terapia Cognitiva

• Fobias Específicas
1. Terapia de Exposição*

• Transtornos de Abuso de Substâncias Mistas
1. Entrevista Motivacional;
2. Manejo de Contingências*

• Dependência de Álcool
1. Terapia Cognitivo-Comportamental

• Dependência de Cocaína
1. Manejo de Contingências*

(Fonte: Portal Comporte-se)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *